domingo, 22 de fevereiro de 2009

André Valadão -Clássicos André Valadão

Quando os sites de notícias evangélicas divulgaram que a gravação do novo cd de André Valadão não seria gravado no estádio do Mineirinho, por ocasião do Congresso de Louvor realizado anualmente pela Igreja Batista da Lagoinha, começaram as especulações não só nestes sites, mas também nos fóruns e comunidades do orkut. Dias depois Valadão divulgava que seu novo disco traria no repertório hinos do Cantor Cristão e da Harpa Cristã, que quase não são mais cantados nas igrejas, mas que representam o início da caminhada espiritual de grande parte do povo evangélico brasileiro. Na verdade o projeto não chega a ser uma novidade. Diversos ministérios têm inserido em seus álbuns pelo menos uma canção dessa época com arranjos modernos. P C Baruk cantou “Sossegai” com um arranjo “quebrando tudo” em seu mais recente cd. No seu primeiro álbum o Raiz Coral trouxe uma interpretação cheia de melismas de “Tocou-me”. Marcos Góes fazia o mesmo com “corinhos” antigos nas suas primeiras gravações da “Vigília”. O Banda & Voz que hoje faz parte do cast da Graça Music também lançou pela MK duas edições de “Corinhos Inesquecíveis”. Sem falar em João Alexandre, Aline Barros, Thales Roberto, entre outros, que já deixaram registrados hinos antigos em seus lançamentos. Outro Ministério que tem se destacado neste processo é o “Atmosfera de Adoração” liderado pelo Missionário Irineu Grubert. Irineu já lançou seis álbuns contendo hinos antigos no meio de seu repertório, sendo cinco com o “Atmosfera de Adoração” e um com Heloísa Rosa, denominado “Unção que une”. O disco Clássicos traz 12 hinos com arranjos modernos, sem agredir a originalidade das canções. As conhecidas ministrações de André Valadão se fazem presentes em dois louvores. O layout do disco, apesar de estar visualmente muito bonito, ficou dentro do previsível. A capa, o encarte e o tipo de fonte usado para escrever os versos das canções são realmente bem sugestivos a época. Não dava pra fugir dessa idéia mesmo não é? Destaque para o cd em formato de disco de vinil. Conforme comentei acima, André e banda respeitaram o formato original das músicas. A intenção até que foi boa, mas pelo fato de eles serem referência no mercado musical poderiam ter tido um pouco mais de ousadia. Os clássicos estão lindos, mas faltou um pouquinho mais de criatividade. Estão mais para regravação do que para versão. Chuva de bençãos começa em formato bem tradicional sendo conduzido por um órgão. A partir da segunda estrofe um naipe de metais e uma levada rítmica mais dançante dão um brilho bacana na canção. Mantendo a pegada do hino anterior temos a excelente Foi na cruz. Apesar de não ter surpresas harmônicas como na versão de João Alexandre no cd “Oração da Noite” o hino ficou com uma levada bem envolvente. Mais uma vez destaque para o naipe de metais, tanto nos ataques, quanto no solo. Tocou-me vem em ritmo de balada. O timbre do teclado ficou perfeito. Já rola na internet uma versão ao vivo de André com Ana Paula fazendo um dueto que ficou realmente muito bom. Uma interpretação piano e voz de Tudo entregarei cria o clima perfeito para uma ministração espontânea de André Valadão. Pelo título do hino vocês já devem perceber o tema do clamor que é levantado. Solta o cabo da nau nos remete aos anos 80 com uma pegada bem progressiva. Este hino que já virou “corinho” fez a alegria de juventude das décadas de 70, 80, 90 e tem tudo pra voltar a marcar presença no repertório dos ministérios de louvor desse novo milênio. Outro hino que exalta a ressurreição de Jesus vem em clima de pop rock. Porque Ele vive vem conduzido por uma guitarra usando efeitos de distorção bem discretos, sem agredir a dinâmica da música. Sou feliz traz em seu arranjo um leve tempero eletrônico. É uma das melodias mais bonitas do repertório. A maravilhosa letra de Quão grande És Tu é o fundo perfeito para mais uma ministração espontânea de André Valadão, dessa vez exaltando o único que é digno que receber a nossa adoração. Mais perto quero estar é uma das que mais gosto. A regravação traz um arranjo bem contemplativo. Uma levada serena, um sax inspirativo e uma letra de contrição e entrega maravilhosa. Um hino muito entoado nos momentos de ceia da igreja vem com um arranjo balada blues. Rude cruz traz mais uma ótima combinação letra – melodia. Dobradinha que tem sido um pouco rara hoje em dia no cenário musical gospel. Firme nas promessas traz uma pegada pop-country. Boa pedida para o-ministro-do-louvor-interagir-com-a-igreja. No meio da canção temos um interlúdio jazzístico que poderia ter sido mais explorado. Fechando o repertório um hino que versa sobre a segunda vinda de Cristo. Vencendo vem Jesus traz uma levada bem funkeada. Mais uma vez destaque para os metais e para os timbres do teclado e da guitarra que dão uma nuance especial ao arranjo. Apesar de meus comentários no início do texto, incluo “Clássicos” como uma das decisões mais acertadas da indústria fonográfica evangélica dos últimos tempos. Uma seleção de extremo bom gosto de hinos realmente representativos do início da Igreja por aqui. Ficaram de fora hinos como “Tu És Fiel”, “Castelo Forte”, “Nome bom”, “Alvo mais que a neve”, “Exultai”, entre outros. Quem sabe não rola ano que vem um Clássicos Dois? Neste primeiro volume os 12 hinos representados foram muito bem escolhidos e trouxeram arranjos modernos ao lado da qualidade vocal ímpar do pastor André que a cada dia se consolida mais e mais como referência de adoração no país. É realmente muito bom voltar a entoar canções que marcaram a vida de muitas pessoas e levantar louvor a Deus com hinos antigos, que fazem parte da história do povo de Deus!
baixar!!!
http://www.mediafire.com/?nilbmzdd4fm

2 comentários:

Rock In Taio disse...

Amigos podem mim passar a senha para que eu possa extrair as musicas compactadas

Rock In Taio disse...

Antes que eu mim esqueça. Parabenizar Andre Valadão pelo trabalho. sou do interior de MG e não o conhecia ate o Dudu da alteroza apresentar o cd Fé. Onde eu ouvi e gostei.

Postar um comentário